top of page

Storytelling: Eu faço escolhas e vivo cada uma delas


Eu sou Flávio e havia uma época em que eu era como a maioria das pessoas, vivendo minha vida em uma rotina previsível, preso a um lugar e uma série de compromissos. Mas algo dentro de mim começou a se agitar, como uma chama que queima cada vez mais intensamente a cada dia que passa.


Eu olhava para o horizonte e me perguntava: "O que há lá fora? O que está esperando por mim além dos limites deste lugar familiar?" A curiosidade se transformou em inquietação, e a inquietação se transformou em determinação. Eu sabia que precisava fazer uma escolha, uma escolha que mudaria minha vida para sempre.


E então, um dia, tomei a decisão. Decidi ser um viajante, a pessoa que não se prenderia a nenhum lugar, que exploraria cada canto deste mundo vasto e diversificado. Preparei minha mochila, disse adeus às convenções e parti em busca de aventuras desconhecidas.


Minha jornada começou com um simples passo para fora da minha zona de conforto. Eu me vi em lugares que nunca sonhei em visitar, conheci pessoas cujas histórias eram tão fascinantes quanto os lugares que visitei. A cada novo amanhecer, eu estava cercado pela beleza da natureza, pelas cores vibrantes de culturas distantes e pelos aromas e sabores que despertavam meus sentidos.


No entanto, não foi uma jornada fácil. Enfrentei desafios que nunca imaginei, momentos de solidão em terras estrangeiras e incertezas que me faziam questionar minha escolha. Mas cada obstáculo superado me tornava mais forte, mais resiliente e mais grato por cada experiência vivida.


Aprendi a valorizar as coisas simples da vida: um pôr do sol sobre o oceano, a risada de um estranho que se tornou um amigo, a conexão profunda com culturas diferentes da minha própria. Aprendi que a verdadeira riqueza não está nas posses materiais, mas nas memórias, nas lições e nas histórias que colecionamos ao longo do caminho.


Minha vida se tornou uma narrativa de aventura e autodescoberta. E, embora eu ainda não sabia onde meu próximo passo me levará, estava animado com a jornada que estava por vir, porque sei que cada nova cidade, cada novo rosto e cada novo horizonte trarão mais histórias para contar, mais experiências para viver e mais motivos para continuar sendo um viajante que não se prende a nenhum lugar.


Enquanto explorava um deserto remoto, meu veículo quebrou, deixando-me perdido em um lugar isolado sob o calor escaldante do sol. O medo e a incerteza começaram a crescer em mim, mas a esperança estava longe de desaparecer.


Foi nesse momento crítico que uma figura apareceu no horizonte, emergindo como um salvador de um filme de aventura. Era Elena, uma mulher corajosa que vivia nas proximidades, que me ofereceu ajuda em um momento de desespero. Ela me mostrou a beleza da região, e naqueles dias, compartilhamos histórias e risadas sob as estrelas, em uma improvável amizade que se transformou em algo mais.


Um impasse se formou, queria continuar a jornada, mas agora não queria estar sozinho, porém Elena amava a tranquilidade de sua cidade natal, discutimos nossos desejos opostos, e as tensões cresceram à medida que tentávamos conciliá-los.


Nossos mundos eram opostos em muitos aspectos, mas havia algo naquela diferença que nos atraía. Resolvi ceder e resolvi permanecer um pouco mais com aquela que havia mexido com o meu coração. Compartilhávamos histórias sob as estrelas, explorando paisagens pitorescas e aprendendo um com o outro. Elena me mostrou a beleza de apreciar o momento presente, de criar raízes em um lugar e construir uma vida estável.


Conversamos longamente sobre o que queríamos para o nosso futuro, e chegamos a um momento crucial em nossa história.


Eu me vi diante de uma decisão difícil. Seria possível conciliar nossos desejos tão diferentes?


Ou eu deveria seguir meu chamado interior, continuar minha jornada como um viajante sem destino definido?


Depois de muita reflexão e com um coração pesado, percebi que, embora amasse minha vida como um viajante, amava ainda mais Elena. Decidi que era hora de fazer uma mudança em minha vida, de abrir mão da estrada aberta para construir um lar com a pessoa que conquistou meu coração.


Fixei-me em sua cidade, e ao longo do tempo, construímos uma vida juntos.


Compartilhamos nossas paixões, adaptando nossos sonhos para incluir um ao outro.


Enquanto eu ainda tinha o desejo ocasional de explorar novos lugares, encontrava satisfação em compartilhar minhas histórias com Elena e em viver uma vida que nunca imaginei que poderia ser tão gratificante.


Nossa história continua, agora como um casal que se adaptou às mudanças e escolheu a paixão e o amor mútuo acima de tudo. Nossas viagens agora incluem aventuras em família, com nossos filhos.


A vida pode ser imprevisível, e nossos destinos podem mudar de rumo, mas o amor e a vontade de fazer sacrifícios por aqueles que amamos podem tornar qualquer jornada, seja ela em um lugar distante ou em um lugar de afeto, verdadeiramente especial. E, em um desses momentos de reflexão profunda, enquanto admirávamos a beleza da vida que havíamos construído juntos, senti como se estivéssemos tendo um encontro com algo divino, algo maior que nós.


Era como se Deus estivesse ali, abençoando nossa jornada e nossas escolhas, sorrindo para nós como uma confirmação de que estávamos no caminho certo. E assim, nossa história de amor e família se tornou uma parceria divinamente guiada, onde encontramos nosso lar não apenas um no outro, mas também na presença de algo sagrado que nos unia.


Nena Fonseca

Esta é uma historia fictícia

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page