top of page

Um encontro às escuras


Ana Júlia saiu da boate, com a maquiagem borrada, olhar triste de quem não estava se divertindo nadinha.


Logo ao sair a porta, um degrau que lhe passou despercebido, talvez devido a quantidade de drinks que ela bebeu enquanto chorava, acarretou a quebra do salto de seu sapato.


A moça, com a sua saia curta, tentava se equilibrar com o sapato quebrado, de repente ele saiu de seu pé e como um voo ele foi parar no fundo de um bueiro.


A escuridão era imensa, ela agachou-se na calçada, olhou para dentro do buraco e naquele breu só conseguia ver o brilho de sua fivela.


Resolveu se levantar e garantir um pouco de dignidade, deixaria para lá, não iria ir mais baixo ainda, pensou: não vou revolver sujeiras deste bueiro, e se um rato sair de lá? Arrepiou-se só de pensar...


Com dificuldades em andar com apenas um pé de sapato, retirou-o e começou a andar descalça, mas para onde eu irei? Ana Júlia pensou:


“Deixei as minhas amigas para ficar com um cara muito lindo, mas o cafajeste levou a minha bolsa com tudo dentro: celular, cartões e documentos e sumiu!”


“Como eu vou voltar para o hotel? Não sei nem o endereço, havia registrado a localização e outras informações nas conversas com as amigas.”


Ela andava sem rumo e ia fazendo conjecturas:


“Se ele tivesse me drogado, ou me sequestrado? Nem quero imaginar se fosse traficante de órgãos?


Pensou no garçom que organizou a sua fuga, sem pagar a conta e despistou os seguranças. Este era um bom rapaz, me ajudou sem pensar duas vezes quando eu contei a minha situação.


Saiu da rua de comércio, iluminada com os letreiros brilhantes e entrou em uma rua residencial, apenas as varandas estavam acesas, cachorros latiam ao sentir uma presença estranha, ela com medo, apressou-se e logo entrou em uma encruzilhada, teria que escolher o caminho a seguir, uma luz chamou sua atenção.


Era uma cruz iluminada em Led azul, uma pequena igreja de bairro, percebeu que dentro havia pessoas, era uma vigília de oração.


Sentou-se ao fundo, queria descansar um pouco, seus pés doíam, estava com frio, fome e sono.


Ana Júlia, fechou os olhos e as vozes iam entrando em sua mente abalada: “Só Jesus pode mudar a história de sua vida!”, “Ele levou sobre si, as nossas culpas!” “Jesus é o caminho, a verdade e a vida!”...


De repente uma senhora, aproximou-se dela e perguntou:


— Eu posso te ajudar em alguma coisa?


— Eu estou perdida, fui roubada, poderia me emprestar o seu telefone?


—Eu não trouxe o meu, vou pedir ao meu filho ele acabou de chegar do trabalho.


A senhora voltou com um rapaz simpático, que estendeu a mão com o telefone, quando Ana Júlia olhou o rapaz, era o garçom que havia lhe ajudado a fugir da boate.


Nena Fonseca



Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page